Ultimas noticias

6/recent/ticker-posts
Aqui a notícia é prioridade


AKIAGORA

CLIQUE E VISITE NOSSOS PARCEIROS


AKIAGORA

AKIAGORA



AKIAGORA

ENERGIA Aneel aprova dois leilões de energia para o mês de dezembro

 (crédito: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press)
crédito: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press
Por: Rafaela Gonçalves - Correio Braziliense
A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou, nesta terça-feira (25), o edital dos leilões A-1 e A-2 de 2022, voltados para contratação de energia de usinas já existentes, com início de suprimento em 2023 e 2024. Os certames estão previstos para ocorrer no dia 2 dezembro. A contratação é voltada para compra de energia produzida por usinas existentes com o intuito de atender à demanda das concessionárias de distribuição.

Os contratos dos leilões serão negociados na modalidade por quantidade de energia elétrica, para energia proveniente de qualquer fonte. Os empreendimentos devem ofertar energia elétrica com preço teto de R$ 140 por MWh (megawatt-hora) no leilão A-1 e R$ 150 por MWh no A-2. O preço da energia elétrica comercializada não será alterado durante o período de suprimento, apenas atualizado pela inflação.

O suprimento será feito entre 1º de janeiro de 2023 e 31 de dezembro de 2024 para o leilão A-1. Já para o leilão A-2 será entre 1º de janeiro de 2024 e 31 de dezembro de 2025. De acordo com a agência, as regras dos leilões são semelhantes aos modelos adotados.

Leilões suspensos
 
O último leilão de energia realizado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) ocorreu em 14 de outubro. Outros três certames previstos para este ano foram suspensos pelo Ministério de Minas e Energia.

De acordo com o governo, o leilão A-6 não será realizado porque as distribuidoras de energia não declararam necessidade de compra; o certame já havia sido cancelado pela Aneel. O leilão dos sistemas isolados, por sua vez, não será realizado porque os deficits de suprimento de energia. Já o leilão para contratação de capacidade de reserva foi adiado para melhor avaliação do ministério.

Comente com o Facebook:

Postar um comentário

0 Comentários