Ultimas noticias

6/recent/ticker-posts

banner no cabeçalho.

--ASSESSORIA E SUPORTE PUBLICITÁRIO PARA SUA EMPRESA E COMÉRCIO--


AKIAGORA

Clique na imagem e contate-nos


AKIAGORA

CASA DO AGRICULTOR

REINO UNIDO Charles III é proclamado novo rei do Reino Unido



Foto: Lionel Bonaventure /AFP

Charles III foi oficialmente proclamado o novo monarca do Reino Unido neste sábado (10), abrindo uma nova era na história de um país que se prepara para se despedir de Elizabeth II, sua guia e símbolo de estabilidade por sete décadas.


Em uma cerimônia solene televisionada do Palácio de Saint-James em Londres, na presença de seu herdeiro William, da rainha consorte Camilla, da primeira-ministra Liz Truss e seus antecessores vivos, o Conselho da Ascensão assinou e anunciou a proclamação do novo rei.


"O príncipe Charles Philip Arthur George se torna agora, pela morte de nossa soberana de feliz memória, o nosso rei Charles III... Deus salve o rei!", proclamou o conselho antes que o próprio monarca fosse chamado à sala.


"O reinado da minha mãe foi inigualável pela sua duração, dedicação e devoção (...) Estou profundamente consciente desta grande herança e dos deveres e pesadas responsabilidades da soberania, que agora me são transmitidos", declarou o novo monarca.


Seguindo um protocolo cuidadosamente elaborado há muito tempo, o filho de 73 anos da falecida rainha se instala lentamente como chefe de Estado e nos corações do povo britânico.


No seu primeiro discurso televisionado como Charles III, o novo monarca elogiou na sexta-feira a sua "amada mãe", uma "modelo" e uma "inspiração" sempre "ao serviço do povo".


"Hoje renovo a todos vocês essa promessa de serviço ao longo da vida", enfatizou, visivelmente emocionado.


O eterno príncipe de Gales sucedeu automaticamente a Elizabeth II na quinta-feira, após sua morte aos 96 anos em seu castelo escocês de Balmoral depois de sete décadas de reinado, comovendo o Reino Unido, a Commonwealth e o mundo.


Durante uma missa na sexta-feira na catedral de St Paul, em Londres, o hino britânico foi cantado com uma letra modificada, "God save the King", pela primeira vez em 70 anos.


Após a cerimônia, a proclamação foi lida ao público de uma varanda do palácio Saint-James e em outros pontos de referência em Londres.


Depois, os membros do Parlamento - deputados e lordes - jurarão fidelidade ao monarca e expressarão suas condolências.


À tarde, Charles III voltará a receber Truss e os principais membros do seu executivo, recentemente nomeados na terça-feira.




Futuro complicado


Nenhum soberano britânico esperou tanto tempo para assumir o trono e Charles III terá que esperar um pouco mais pela cerimônia de coroação, cuja data ninguém pensa ainda: sua própria mãe esperou mais de um ano para se tornar rainha.


Os retratos de Charles cobriam todas as primeiras páginas da imprensa neste sábado.


"Deus Salve o Rei", era a manchete do Times. Vários jornais acrescentaram uma frase do novo monarca: "Vou me esforçar para servir com lealdade, respeito e amor".


O The Sun publicou uma foto de mãe e filho com as palavras: "Para minha mãe amorosa, obrigado".


Após a enorme popularidade de Elizabeth II, a ascensão de Charles III, menos apreciado pela opinião pública, abre um período delicado para uma monarquia que enfrenta múltiplos desafios, desde o desejo de alguns países da Commonwealth de se distanciar até as críticas ao seu passado colonial e escravista.


Além disso, o Reino Unido enfrenta sua pior crise econômica em 40 anos e viu quatro primeiros-ministros passarem em seis anos.


As divisões correm por todo o país sobre o Brexit e sobre os desejos de independência na Escócia e na Irlanda do Norte.


Mas, aplaudido por milhares de pessoas em sua chegada ao palácio na sexta-feira, o novo rei pode estar começando a conquistar o coração de alguns britânicos.




"Perda de um ícone"


Ao mesmo tempo, na Escócia, sua capital Edimburgo se prepara para as primeiras homenagens públicas ao caixão da rainha Elizabeth II, que morreu enquanto passava o verão lá.


"Ela é a única rainha que já conhecemos", disse à AFP Jason Viloria, administrador americano de 45 anos cujo filho estuda em Edimburgo.


"Para nós, é a perda de um ícone", de "uma figura histórica".


No domingo, o caixão da rainha será transferido do Castelo de Balmoral para o Palácio de Holyroodhouse em Edimburgo, a residência oficial dos monarcas na Escócia, e um dia depois para a vizinha Catedral de St. Giles.


A sua última viagem a Londres está marcada para terça-feira de avião para vários dias de homenagem pública e um funeral de Estado, em data a definir, na Abadia de Westminster com dignitários de todo o mundo, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.


Comente com o Facebook:

Postar um comentário

0 Comentários