Pesquise aqui.

A maior velocidade!

Servidores se reúnem nesta sexta-feira e decidem sobre greve.

Os servidores da Prefeitura da Cidade do Recife (PCR) se reúnem hoje, às 9h, em frente à sede da PCR, onde farão uma mobilização, seguida de assembleia geral, e poderão decretar greve. Após quatro rodadas de negociações, a PCR não chegou a um acordo com o Sindicato dos Servidores (Sindspre). “A Prefeitura não nos deu resposta a nenhum dos nossos pedidos. Alegou que a folha de pagamento cresceu 12,5% e que precisava avaliar o quadrimestre para ter noção do que poderia ser negociado, mas não deu resposta. Portanto, os servidores não têm outra alternativa a não ser a mobilização e paralisação”, adiantou o presidente do Sindspre, Aílton Andrade.

Segundo ele, os servidores realizarão um protesto e devem paralisar as vias em frente à Prefeitura esta ma­nhã em um ato simbólico de luta pela pauta de reivindicação. “A gente acha que o último recurso que temos é a greve e chegamos a um estágio que não dá mais para esperar”, concluiu
Para o secretário de Administração da PCR, Dárcio Rossiter, decretar uma greve seria uma atitude prematura por parte dos servidores. “Nós estamos acompanhando e conversando com os servidores através da mesa de negociação salarial, estamos no processo de troca de informações. Não seria uma atitude madura fazer uma greve agora”, enfatizou. Rossiter complementou, afirmando que “o prefeito João da Costa quer valorizar os servidores e não deixou de conceder a importância que eles têm. Esperamos que os funcionários tenham paciência porque queremos fazer algo bom para os servidores e bom para a sociedade, por isso estamos esperando o melhor momento financeiro”, finalizou.

A pauta de reivindicações do Sindspre contempla um reajuste salarial de 12,74%, aumento do valor do ticket alimentação de R$ 10 para R$ 14, além da implantação do Plano de Cargos e Carreira (PCC), que deveria ter entrado em vigor desde 2008. Por isso, o movimento, que engloba cerca de 27 mil trabalhadores de diversas categorias, deve decidir pela paralisação das atividades.
Da Folha de Pernambuco
▲ Ir para Topo