Pesquise aqui.

A maior velocidade!

Diferença do salário entre brancos e negros cai, mas ainda é de 46,4%.

Mulheres negras receberam em 2010 o menor salário médio no Brasil.
Dados por cor referem-se apenas a trabalhadores da iniciativa privada.

        

A Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) de 2010, divulgada nesta quarta-feira (11) pelo Ministério do Trabalho, aponta redução na diferença entre a remuneração média paga a brancos e negros no Brasil. Entretanto, ela continua alta e fechou 2010 em 46,4%. Em 2009 esse índice era de 47,98%.
De acordo com o Ministério do Trabalho, a redução se deve ao reajuste real médio (acima da inflação) concedido no ano passado. Trabalhadores brancos tiveram aumento de 2,47%, ante 3,58% dado aos negros e 3,05% aos que se declararam como pardos.
A RAIS identificou que a maior disparidade salarial entre negros e brancos ocorre na faixa de trabalhadores com nível superior completo. Neste nicho, o rendimento dos negros representa 69,83% do dos brancos.
Profissionais identificadas como mulheres e negras receberam em 2010 o menor salário médio no Brasil: R$ 944,53, ante R$ 916,30 em 2009. A remuneração média das mulheres pardas foi de R$ 1.001,52 no ano passado e, das brancas, R$ 1.403,67.
Já a média salarial dos homens em 2010 ficou em R$ 1.891,64 (brancos), R$ 1.296,39 (pardos) e R$ 1.255,72 (negros). Os dados por raça e cor referem-se apenas a trabalhadores da iniciativa privada, um universo de 35,5 milhões de pessoas.
Deficientes
De acordo com a RAIS, o Brasil fechou 2010 com 306 mil trabalhadores formais declarados deficientes físicos. O número representa 0,7% do total de 44,1 milhões de trabalhadores formais. Em 2009, eram 288,6. O rendimento médio desses trabalhadores, porém, foi em 2010 superior à media nacional, atingindo R$ 1.922,90 ante R$ 1.742,00.
g1.globo 
▲ Ir para Topo